Quais profissionais tem mais oportunidades no Banco do Brasil?

Hoje eu recebi esta pergunta nos comentários do post “Quem é quem na estrutura de cargos do Banco do Brasil“… ela veio do João Pedro Lima.

concurso público

Eu estava começando a responder quando percebi que o conteúdo poderia valer um artigo completo… e aqui estamos nós!

Depois de vários dias de notícias não tão motivadoras, vamos voltar ao dia a dia do banco.

Só antes de entrar na resposta, deixa eu comentar os reflexos da primeira onda da reestruturação: o PEAI…

O Programa Especial de Aposentadoria Incentivada teve a adesão de 9.409 funcionários… isto está espalhado pelas páginas de notícias e de cursos preparatórios para o concurso, bem como os detalhes e interpretações da entrevista concedida pelo Cafarelli… aí cada um puxa a sardinha para o que melhor convém.

O que fica claro nas palavras do presidente do banco:

  • Não há previsão de novo concurso a curto prazo (entenda curto prazo como antes do segundo semestre/2017)
  • Não há previsão de chamada de candidatos aprovados a curto prazo (com raríssimas exceções em casos muito pontuais)
  • Que o banco foi surpreendido com a saída de executivos e gerentes gerais de agências, em número superior ao previsto.
  • Que a acomodação da movimentação de pessoal vai se prolongar até o final do primeiro semestre do ano que vem… por isto é que não há previsão de concurso neste período, já que a prioridade agora é realocar os funcionários que perderam cargos e salário.

O número de funcionários que anteciparam a sua aposentadoria e saíram no PEAI, é mais ou menos o número de vagas que foram cortadas com a extinção de cargos, a redução de dotação de agências e o fechamento e readequação de agências.

Só que essas vagas/cargos cortadas não são necessariamente as mesmas do pessoal que saiu… daí um descasamento entre as vagas/cargos existentes e funcionários com perda de cargo… e é isto que o banco tem que administrar agora.

Vai ter gente que vai subir na carreira (para preencher as vagas dos gerentes gerais e superintendentes que saíram), e abrir a sua vaga… vai ter gente que vai “cair pro lado” como agente diz (vai conseguir recuperar o cargo que tinha… alguns na mesma praça, outros que terão que mudar de cidade/estado) e alguns que vão sobrar mesmo… vão ficar endurado no pincel.

É o preço da reestruturação… boa para alguns e péssima para outros… é assim mesmo.

Agora, fechando o parêntese e voltando prá pergunta do João.

Qual profissionais tem mais oportunidades no Banco do Brasil?

A resposta não é simples nem fácil… e não tem fórmula mágica.

Vou expor aqui a minha opinião e o que eu vi no BB nos últimos tempos.

Eu acredito em 3 fatores determinantes:

  • Conhecimento
  • Experiência
  • Network

Conhecimento

Eu coloco conhecimento porque atualmente você não consegue participar de concorrências a cargos comissionados, sem ficar classificado entre os 20 primeiros no ranking do TAO, que é o sistema que gerencia a concorrência a cargos comissionados… tem mais detalhes sobre o TAO no artigo “Como será sua Carreira no Banco do Brasil“.

E, para ficar entre os 20 primeiros e poder ser considerado para ser nomeado, você precisa, no mínimo, de graduação… eu diria que para ficar mais perto, pelo menos uma pós… daí prá mais.

Aqui a primeira dica de “qual profissional” tem cursos que pontuam mais que outros… normalmente os que tem mais afinidade com as atividades do banco… administração, economia, finanças, contábeis, direito, etc, são cursos que pontuam mais no TAO.

Isto não quer dizer que outros cursos não sejam bem vindos. Depende do cargo e da área que se está concorrendo… por exemplo… numa concorrência para a gerência média em agência, os cursos que eu citei aí em cima pontuam mais do que pedagogia, letras, jornalismo, marketing e tal… já para uma concorrência para educador, pedagogia e letras pontuam tanto ou mais que aqueles… se for para a área de comunicação, os jornalista, publicitários, etc, terão pontuação melhor… deu prá entender?

Dependendo da área em que se quer atuar e do cargo pretendido, a pontuação varia de acordo com a área de formação.

O que é certo é que sem graduação fica bem mais difícil.

Claro, existem exceções, como por exemplo concorrer para agências que tem poucos candidatos (menos de 20), aí dá prá ficar entre os 20, mesmo sem o curso superior.

Experiência

A experiência profissional é a segunda perna do TAO e também é decisiva nas concorrências.

A experiência fora do banco conta, mas o que conta mais é a experiência dentro do Banco… e para adquirir esta experiência só com tempo de banco…

Na experiência entra a avaliação de desempenho, os cargos ocupados dentro do banco, etc… então é um fator de pontuação que vai aumentando à medida que você vai trabalhando, adquirindo experiência e melhorando sua pontuação… independe de coisas que você pode fazer antes de entrar no banco.

Network

A terceira determinante é a rede de relacionamentos que você vai construir dentro do Banco.

É esta rede que vai te sustentar… ou não.

Ninguém nomeia você porque você é o primeiro colocado no TAO… deixa eu melhorar… é pouco provável que te nomeiem só porque você é o primeiro classificado, isto é importante, claro, mas não é só isto… as pessoas que nomeiam tem que te conhecer e ter boias referências de você, do seu trabalho.

E quem nomeia?

Falando em agências, normalmente é o Superintendente Regional e/ou a Superintendência Estadual junto (ou não) com o gerente da agência que tem a vaga. E vão escolher entre os 20 primeiros colocados no TAO para aquela vaga naquela agência.

Nos demais Órgãos e Áreas é mais ou menos o mesmo processo, basicamente mudam os cargos de quem escolhe.

E como é que estas pessoas que escolhem os funcionários que serão nomeados escolhem?

Eles vão olhar o currículo do funcionário no TAO, vão olhar o “Sinergia” da agência prá ver se ela vem cumprindo as metas, vão perguntar pros Gerentes da Super, vão perguntar para o chefe dele como é que o cara é, se trabalha legal, se vende bastante, se tem relacionamento legal com os colegas e clientes, se está preparado para assumir o cargo… enfim, se serve.

E se ninguém te conhece direito? Se você não participa das atividades internas e externas da agência? Se não se dá bem com os colegas ou com os clientes? Não tem uma boa avaliação de desempenho? Se não ajuda a cumprir as metas da agência…

Quem é que vai te indicar?

É um desenho de competências incompleto… não é só isto que conta, mas esses 3 fatores são determinantes, sem eles a chance de crescer dentro do banco é bem menor.

Prá concluir… o profissional que tem mais oportunidades no Banco do Brasil é mais ou menos o mesmo profissional que tem oportunidades fora do BB… o bom profissional.

E antes que o pessoal que não vai concordar comece a espernear…

Nem sempre é assim…

Existem casos em que nada disso interessa… mas não vou entrar nesta polêmica, ok.

abraço

14 Comentários

  1. Felipe

    Interessante essa questão de oportunidades, porém creio que ela sofrerá uma mudança muito forte para os próximos anos. Atualmente, acho que eles estão reduzindo o volume de gerentes dentro da empresa, até pra dar cabo aos processos de reestruturação. Então, nem sempre, com a saída de gerentes haverá substituição em mesmo número com novos profissionais…é uma espécie de otimização.

    Mas o que chama a atenção é a carreira administrativa do banco, porque pelo que estou acompanhando a tendência é de que boa parte dos cargos e funções que pertencem a esse plano de carreira serão extintos no futuro( alguns já estão sendo). .. bem como vários departamentos também. Muito em virtude da tecnologia e automação, além da própria política dos bancos.

    • Oi Felipe,
      É verdade… em termos…
      A velocidade das mudanças é cada vez maior (acho que já disse isto aqui no blog…).
      E com a evolução tecnológica, muitas coisas vão mudar de lugar.
      Em termos de autoatendimento estas mudanças são realmente mais rápidas.
      Já em termos de processos, não é a mesma coisa… a velocidade tem que ir de acordo com o mercado (e a cultura do mercado).
      Não adianta querer radicalizar, porque o produto bancário é muito sensível, então não dá prá sair inventando.
      Tem que testar, testar e testar, sob o risco de perder clientes e dinheiro.
      Tem ainda muita gente (falando de Brasil), que não consegue se auto-atender, ou não gosta do atendimento digital (ou não sente segurança)… ou prefere ser atendido por uma pessoa, ao invés de uma máquina.
      Claro, com o passar do tempo esta cultura será substituída, pela extinção dos dinossauros… mas ainda leva um tempo.
      E, se olharmos prá trás, vemos que a tecnologia substitui pessoas, mas traz consigo outras atividades.
      Não creio em grandes traumas a curto prazo.
      O futuro nos revelará grandes surpresas, positivas e negativas.
      abraço

  2. Lucas

    Estou me formando em Administração e pretendo me especializar em Gestão de Pessoas, o Banco oferece oportunidades pra trabalho em setor de RH?

    • Oi Lucas,
      Olha o banco tem uma área enorme de RH…Começa pela diretoria, a Dipes, que fica em Brasília e e a responsável pela Gestão de Pessoas do BB.
      Atualmente tem regionais de Gestão de Pessoas, as Gepes, em quase todos os estados… não sei se essa estrutura irá se manter no futuro… particularmente acho que não mas, de qualquer forma, uma empresa com dezenas de milhares de funcionários não pode prescindir de uma área grande de RH.
      Você, depois de entrar, vai ter que construir a sua carreira, se quiser ir prá essa área… demora um tempinho, mas não é complicado não, principalmente com formação específica.
      abraço

  3. Leonardo Brito

    Marco, boa noite!
    Faz alguns meses que leio o seu blog e gostaria de parabeniza-lo pelo ótimo conteúdo. A simples leitura dos artigos já respondem previamente a maioria das indagações sobre a carreira no banco.

    Todavia, gostaria de saber mais sobre o recrutamento e remuneração na corretora BB DTVM, acredito que o cargo inicial seja Assessor. Afora as certificações necessárias (Anbima e Apimec), concorrer para a corretora seria mais difícil do que para o segmentos Estilo/Private?

    Grato pela atenção.
    Abraço!

    • Oi Leonardo,
      Valeu a visita e o comentário.
      Olha, a concorrência para a BB DTVM, funciona como qualquer outra concorrência no BB, inclusive para o Estilo/Private… todas as concorrências no banco são via TAO, independente da área que se quer concorrer.
      Eu não vou saber detalhes das duas concorrências (DTVM ou Private), mas pode ter certeza que precisa de formação na área (graduação e pós, no mínimo), algum tempo de banco e experiência na área.
      A diferença fundamental é que a DTVM e um órgão da direção geral do banco e o Private, além da unidade que é da DG, tem os gerentes regionais que cuidam diretamente dos clientes. Para a rede Estilo, são gerentes de relacionamento mesmo, é o topo da carreira da rede varejo (para a gerência média).
      Então se formos analisar pela maior quantidade de oportunidades, a rede Estilo/Private tem mais vagas do que na unidade da DTVM.
      De qualquer forma, isto é prá depois que você já tiver um tempinho de banco e acumular experiência e conhecimento nas áreas.
      Beleza?
      abraço

      • Leonardo Brito

        Beleza, Marco!
        Continue nos brindando com ótimos textos!
        Abraço!

  4. Douglas

    Será que o Banco do Brasil vai esquecer de vez do concurso que encerra no final do ano, o do nordeste?
    Até agora nenhuma convocação em nenhum estado… =/

    • Oi Douglas,
      Olha, difícil de prever hem…
      Eu ainda acredito no aproveitamento de gente que passou, mas muito poucos.
      Só aguardar mesmo… não tem nada que possa ser feito na esfera administrativa… é uma decisão do Banco.
      Boa sorte,
      abraço

  5. Rubens fernandes

    Mais uma vez,utilíssimo conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *